Receba novidades em seu e-mail
OK
Área do usuário

Exercícios sobre gêneros textuais

Os diversos textos da língua portuguesa estão devidamente classificados, e os exercícios sobre gêneros textuais nos mostrarão as principais características desses gêneros.


Por Luana Castro Alves Perez
  • Questão 1

    Os dias lindos

    Acontece em abril, nessa curva do mês que descamba para a segunda metade. Os boletins meteorológicos não se lembraram de anunciá-lo em linguagem especial. Nenhuma autoridade, munida de organismo publicitário, tirou partido do acontecimento. Discretos, silenciosos, chegaram os dias lindos.

    E aboliram, sem providências drásticas, o estatuto do calor. A temperatura ficou amena, conduzindo à revisão do vestuário. Protege-se um tudo-nada o corpo, que vivia por aí exposto e suado, bufando contra os excessos da natureza. Sob esse mínimo de agasalho, a pele contente recebe a visita dos dias lindos.

    A cor. Redescobrimos o azul correto, o azul azul, que há meses se despedaçara em manchas cinzentas no branco sujo do espaço. O azul reconstituiu-se na luz filtrada, decantada, que lava também os matizes empobrecidos das coisas naturais e das fabricadas. A cor é mais cor, na pureza deste ar que ousa desafiar os vapores, emanações e fuligens da era tecnológica. E o raio de sol benevolente, pousando no objeto, tem alguma coisa de carícia.

    O ar. Ficou mais leve, ou nós é que nos tornamos menos pesadões, movendo-nos com desembaraço, quando, antes, andar era uma tarefa dividida entre o sacrifício e o tédio? Tornou-se quase voluptuoso andar pelo gosto de andar, captando os sinais inconfundíveis da presença dos dias lindos.

    Foi certamente num dia como estes que Cecília Meireles escreveu: "A doçura maior da vida flui na luz do sol, quando se está em silêncio. Até os urubus são belos, no largo círculo dos dias sossegados". Porque a primeira conseqüência da combinação de azul e leveza de ar é o sossego que baixa sobre nosso estoque de problemas. Eles não deixam de existir. Mas fica mais fácil carregá-los.

    Então, é preciso fazer justiça aos dias lindos, oferecer-lhes nossa gratidão. Será egoísmo curti-los na moita, deixando de comentar com os amigos e até com desconhecidos que por acaso ainda não perceberam o raro presente de abril: "Repare como o dia está lindo". Não precisa botar ênfase na exclamação. Pode até fazê-la baixinho, como quem transmite boato e não deseja comprometer-se com a segurança nacional. Mesmo assim, a afirmação pega. Não só o dia fica mais lindo, como também o ouvinte, quem sabe se distraído ou de lenta percepção sensorial, ganha a chance de descobri-lo igualmente. Descobre e passa adiante a informação.

    A reação em cadeia pode contribuir para amenizar um tanto o que eu chamo de desconcerto do mundo. De onde se conclui: deixar de lado, mesmo por instantes, o peso dos acontecimentos mundiais trágicos, esmagadores, para degustar a finura da atmosfera e a limpidez das imagens recortadas na luz, é um passo dado para reduzir o desconcerto, na medida em que a boa disposição de espírito de cada um pode servir de prefácio, ou rascunho de prefácio, à pacificação, ou relativa pacificação, dos povos e seus dominadores. Em vez de alienação, portanto, o prazer dos dias lindos é terapia indireta.

    Pode ser que o desconhecido lhe responda com um palavrão, desses em moda na sociedade mais fina. Não faz mal. Não se ofenda. Ele descarregou sobre a sua observação amical o azedume que ameaçava corroê-lo no íntimo. Livre desse fel, talvez se habilite a olhar também para o céu e a descobrir mesmo certa beleza esvoaçante no urubu. De qualquer modo foi avisado. Já sabe o que estava perdendo: a consciência de que certos dias de abril e maio são mais lindos do que os outros dias em geral, e nos integram num conjunto harmonioso, em que somos ao mesmo tempo ar, luz, suavidade e gente.

    Carlos Drummond de Andrade, texto publicado no Jornal do Brasil, 1970.

    Sobre o texto de Carlos Drummond de Andrade, podemos afirmar que se trata de um texto do gênero:

    a) Crônica

    b) Poema.

    c) Carta.

    d) Reportagem.

    e) Editorial.

    ver resposta


  • Questão 2

    Assinale a alternativa que associa, respectivamente, as características e função social aos gêneros mencionados abaixo:

    1. Pequena narrativa em que os animais são as personagens protagonistas. Apresenta uma crítica ao comportamento humano por meio da atitude de animais. Esse gênero serve como distração e moralização, pois apresenta determinados valores considerados socialmente aceitos.

    2. Texto com linguagem verbal e não verbal, da ordem do descrever/prescrever, com uso de elementos voltados para determinado público-alvo, cujo objetivo é despertar sentidos ou desejos; apresenta predomínio da sugestão sobre a informação.

    3. Texto com as mesmas características básicas da narração, sem, contudo, apresentar conflito. Tem a função social de representar experiências vividas situadas no tempo.

    a) Crônica, fábula, anúncio publicitário.

    b) Fábula, conto, notícia de jornal.

    c) Relato autobiográfico, anúncio publicitário, fábula.

    d) Fábula, anúncio publicitário, relato autobiográfico.

    e) Relato autobiográfico, fábula, anúncio publicitário.

    ver resposta


  • Questão 3

    (ENEM 2012)

    E como manejava bem os cordéis de seus títeres, ou ele mesmo, títere voluntário e consciente, como entregava o braço, as pernas, a cabeça, o tronco, como se desfazia de suas articulações e de seus reflexos quando achava nisso conveniência. Também ele soubera apoderar-se dessa arte, mais artifício, toda feita de sutilezas e grosserias, de expectativa e oportunidade, de insolência e submissão, de silêncios e rompantes, de anulação e prepotência. Conhecia a palavra exata para o momento preciso, a frase picante ou obscena no ambiente adequado, o tom humilde diante do superior útil, o grosseiro diante do inferior, o arrogante quando o poderoso em nada o podia prejudicar. Sabia desfazer situações equívocas, e armar intrigas das quais se saía sempre bem, e sabia, por experiência própria, que a fortuna se ganha com uma frase, num dado momento, que este momento único, irrecuperável, irreversível, exige um estado de alerta para a sua apropriação.

    RAWET, S. O aprendizado. In: Diálogo. Rio de Janeiro: GRD, 1963 (fragmento).

    No conto, o autor retrata criticamente a habilidade do personagem no manejo de discursos diferentes segundo a posição do interlocutor na sociedade. A crítica à conduta do personagem está centrada:

    a) na imagem do títere ou fantoche em que o personagem acaba por se transformar, acreditando dominar os jogos de poder na linguagem.

    b) na alusão à falta de articulações e reflexos do personagem, dando a entender que ele não possui o manejo dos jogos discursivos em todas as situações.

    c) no comentário, feito em tom de censura pelo autor, sobre as frases obscenas que o personagem emite em determinados ambientes sociais.

    d) nas expressões que mostram tons opostos nos discursos empregados aleatoriamente pelo personagem em conversas com interlocutores variados.

    e) no falso elogio à originalidade atribuída a esse personagem, responsável por seu sucesso no aprendizado das regras de linguagem da sociedade.

    ver resposta


  • Questão 4

    Observe as tirinhas Mafalda, de Quino, e Calvin e Haroldo, de Bill Watterson:

    A charge pode ser uma relevante ferramenta de difusão cultural e de formação educacional. Mafalda, de Quino
    A charge pode ser uma relevante ferramenta de difusão cultural e de formação educacional.
    Mafalda, de Quino

    A charge tem como uma de suas características a interação entre a linguagem escrita e a linguagem visual. Calvin e Haroldo, Bill Watterson
    A charge tem como uma de suas características a interação entre a linguagem escrita e a linguagem visual. Calvin e Haroldo, Bill Watterson

    O gênero textual charge tem como características:

    1. Interação entre a linguagem escrita e a linguagem visual.

    2. Tem como objetivo tornar seus leitores competentes, críticos e capazes de transformar e modificar a realidade em que se inserem.

    3. Não permite que o leitor faça qualquer análise social ou política sobre os fatos apresentados.

    4. Predominância da linguagem figurada, ou seja, geralmente utiliza-se de metáforas e termos literários.

    5. Linguagem objetiva e clara, utilizando recursos que estimulam o receptor, levando-o a desenvolver a criticidade.

    a) Apenas 5 está correta.

    b) 1, 2 e 5 estão corretas.

    c) apenas 1 e 5 estão corretas.

    d) apenas 3 e 4 estão corretas.

    e) todas as alternativas estão corretas.

    ver resposta




Respostas


  • Resposta Questão 1

     Alternativa “a”. Existem elementos no texto de Carlos Drummond de Andrade que caracterizam uma crônica, já que podemos observar que a narrativa retrata acontecimentos do cotidiano e foi publicada em um jornal. Na crônica em questão, observa-se que Drummond fez uma análise filosófica dos fatos, fazendo uma reflexão dos eventos por ele citados. 

    voltar a questão


  • Resposta Questão 2

    Alternativa “d”.

    voltar a questão


  • Resposta Questão 3

    Alternativa “a”.

    voltar a questão


  • Resposta Questão 4

     Alternativa “b”. 

    voltar a questão


Leia o artigo relacionado a este exercício e esclareça suas dúvidas




Brasil Escola nas Redes Sociais